quinta-feira, 25 de abril de 2024

Biblioteca Escolar assinala os 50 anos da Revolução de Abril com a exposição "Ama(r) a Liberdade"

 

Meio século após a revolução que marcou o fim da ditadura em Portugal, importa tornar presente um dos momentos mais marcantes da nossa História. Torná-lo presente para que as novas gerações não tenham uma imagem vaga da Revolução de abril de 74, torná-lo presente para que os valores de abril não se diluam na espuma dos dias e as novas gerações não assumam esses valores como um dado adquirido, mas sim, percebam que devem continuar, sempre, a lutar por eles.

“Ama(r) a Liberdade” impôs-se como o título óbvio para esta exposição. O infinitivo do verbo “amar” não possuindo qualquer informação de modo ou de tempo, sugere a intemporalidade da Liberdade. Simultaneamente, o imperativo sublinha a urgência, a obrigatoriedade de a defender como algo premente e que não é passível de ser esquecido ou adiado.

“Ama(r) a Liberdade” é uma exposição  que ilustra a diferença entre o “Antes” e o “Depois” da Revolução de abril, dando a conhecer particularidades do período do Estado Novo como a Ditadura, o poder esmagador da Censura, o controlo opressivo da PIDE, e a Guerra Colonial. Por oposição, apresenta algumas das grandes conquistas de abril – A liberdade, as Eleições Livres, a Democracia, a diversidade de Partidos Políticos, a luta e a conquista de Direitos para as Mulheres.

A exposição “Mulheres e Resistência - Novas Cartas Portuguesas e outras lutas”, patente na Biblioteca, vem ajudar o nosso público mais jovem a compreender o papel da repressão, particularmente sobre as mulheres, durante o Estado Novo, e dá a conhecer a luta das Três Marias - três mulheres que ousaram denunciar muitas das situações discriminatórias e lesivas para a mulher em Portugal e escreveram e falaram sobre temas tabu para a época contribuindo, assim, de forma decisiva para a luta pela Igualdade de Género.

1974 – 2024. Cinco décadas de Democracia. Meio século de mudanças. Mas o que mudou, afinal? A Fundação Francisco Manuel dos Santos dá-nos algumas respostas a esta pergunta. O conjunto de infográficos que integram a nossa exposição apresenta de forma clara e apelativa evidências para meio século de evolução em diversos setores da sociedade. São, inquestionavelmente, documentos para os quais devemos olhar com olhos de ver.

Mas na exposição “Ama(r) a Liberdade” impunha-se, também, um olhar artístico sobre uma revolução que deu voz a poetas, cantores, pintores, ilustradores e muitos outros artistas cuja voz era coartada pela voracidade da censura. E eis que a arte invade a exposição - os alunos e as alunas do Ensino Secundário de Artes Visuais, como se de um anacronismo se tratasse, cobrem as paredes com cartazes, qual período pós revolução, os soldados do MFA “aparecem” junto à entrada da Biblioteca abrindo caminho para um mundo novo que começou nesse dia.

E os cravos nos canos das espingardas? Não poderiam ser esquecidos.

Como é que os grandes mestres da pintura os representariam?

A resposta é-nos dada pelas alunas da turma do 11.º ano de Artes Visuais em “(Re)Criações em Cravo”.

“Ama(r) a Liberdade” é o resultado de muitas vontades e de muito empenho e do trabalho de uma equipa que nela participou – alunos, alunas e docentes.

Viva o 25 de abril! Amem a Liberdade!

A professora bibliotecária,

M.ª Filomena Lima














terça-feira, 23 de abril de 2024

“Escape Room” – Fuga do Forte de Peniche


Para assinalar os 50 anos da Revolução do 25 de abril de 1974, as professoras bibliotecárias do Agrupamento de Escolas D. Maria II, Professoras Filomena Lima e Gracinda Silva, criaram um “Escape Room”. Trata-se de uma espécie de “jogo” onde encontras vários desafios ou enigmas que têm de ser resolvidos para se conseguires “Fugir” de algum lugar num tempo limitado.

Neste caso, e tendo em conta que este jogo foi criado no âmbito das comemorações dos 50 anos da Revolução dos Cravos, o desafio consiste em ajudar um prisioneiro a fugir do Forte de Peniche, supostamente durante o período da Ditadura.

Tenta resolver os enigmas que te vão sendo colocados, individualmente ou em grupo.


segunda-feira, 25 de março de 2024

"Conversas sobre a revolução...50 anos depois" com os professores Ana Isabel Ramos e Pedro Vidal

 


Foi a 4.ª conversa sobre a revolução. Depois dos atores Joaquim Nicolau e Rita Blanco, depois do professor de História, Manuel Sanches, tivemos o privilégio de assistir a esta “conversa” com a professora de Inglês, Ana Isabel Ramos, e com o professor de Filosofia, Pedro Vidal.

Foi uma conversa sempre interessante e descontraída sobre os tempos pré e pós-revolução – sobre a escola, sobre música, sobre moda, sobre televisão, sobre política.

A turma do 9.º 1.ª, que participou nesta conversa, teve a oportunidade de fazer uma verdadeira viagem no tempo e ficar a saber que a escola não era mista (coisa estranha para os nossos alunos!!!), que era preciso uma nota mínima para se dispensar aos exames, e que na escola, ou fora dela, não se falava abertamente sobre política. Os “Pides” andavam sempre por ali à espera de apanhar alguém a falar sobre o regime.

Os professores partilharam algumas fotos pessoais que permitiram perceber as tendências da moda e verificar que, curiosamente, os jovens adolescentes não usavam calças de ganga ou ténis e se apresentavam num registo muito mais formal, em ambiente escolar ou entre amigos.  

Tendo ambos cerca de 16 anos em 1974, estes professores não poderiam deixar de partilhar os seus gostos musicais – Beatles, Janis Joplin, Led Zappelin, Cat Stevens, John Lennon, de entre outros, estavam no Top das suas preferências musicais. Foi interessante verificar a adesão de muitos dos alunos do 9.º 1.ª em relação a estas sonoridades, apesar de estes artistas serem desconhecidos para a esmagadora maioria dos alunos.

Falou-se também de televisão e de como era viver com apenas dois canais de televisão – emissões transmitidas apenas em algumas horas do dia, a preto e branco. Destacaram-se alguns programas icónicos para a época e até pudemos ver o cantor Marco Paulo no festival da canção de 1967.

Esta foi uma conversa em que dois professores à beira da reforma (para a professora Ana Isabel Ramos foi mesmo o seu último dia de aulas) tiveram a capacidade de voltar a ser adolescentes de 16 anos tendo, até, partilhado excertos do diário (que a professora Ana Isabel escrevia na altura) do dia 25 de abril de 1974 e do seu registo escolar do ano subsequente.

Muito obrigada a ambos os professores pela excelente partilha.

 










Já sabemos quem são os melhores leitores do 1.º semestre

 

O dia 21 de março foi o escolhido para a entrega dos prémios aos melhores leitores do 1.º semestre. Os vencedores revelavam um misto de contentamento e de algum nervosismo antes de serem anunciados os seus nomes e de serem chamados para receber os respetivos prémios.

De entre um conjunto considerável de bons leitores, chegaram ao pódio três alunos do 2.º ciclo, a saber:

1.º lugar – Mélanie Correia (5.º 6.ª)

2.º lugar – (ex-aequo) Liedson Delgado e Simão Sousa.

Para além de outros prémios simbólicos, estes alunos receberam um livro que, certamente, integrará os seus registos de leituras.

Muitos parabéns aos três e votos de que continuem a ser grandes leitores.


Entrega de prémios do Concurso de Poesia

 

Os vencedores do Ensino Secundário

O 1.º classificado do 3.º ciclo

Os vencedores do 2.º ciclo


Assinalou-se no passado dia 21 de março o Dia Mundial da Poesia. A data foi implementada na 30.ª Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), em 1999. Para celebrar esta data, para além da leitura de alguns poemas de autores portugueses realizada por alunas do 11.º ano, foram divulgados os nomes dos vencedores dos 2.º e 3.º ciclos e do ensino Secundário do concurso de poesia.

Esta iniciativa envolveu o grupo de Português e as Bibliotecas Escolares e, este ano, alargou-se também ao 1.º ciclo. Os vencedores do 1.º ciclo serão anunciados no dia 24 de abril durante o evento de música e de poesia que será dinamizado para assinalar os 50 anos do 25 de abril.

Esta iniciativa que visa criar e consolidar hábitos de leitura e de escrita, e também, promover a poesia e valorizar esta expressão literária foi, este ano, subordinada ao tema “Ama(r)  a Liberdade” tendo em conta o facto de se assinalar os 50 anos da revolução de abril.

Os vencedores para cada um dos ciclos foram os seguintes:

2.º ciclo

1.º lugar – Pedro Cabral (5.º 1.ª)

2.º lugar – Márcia Watunga (5.º 1.ª)

3.º lugar – Ana Beatriz Setil (5.º 6.ª)

 

3.º ciclo

1.º lugar – Martim Barbosa (7.º 7.ª)

2.º lugar – Mariana Reis (8.º 7.ª)

 

Ensino Secundário

1.º lugar – Rafael Lourenço (12.º AV1)

2.º lugar – Lara Amaro (12.º AV1)

3.º lugar – Matilde Brandão (12.º AV1)

 

Os premiados receberam um certificado e livros que esperamos contribuam para promover o gosto pela leitura e por esta forma de expressão literária.

Os poemas vencedores serão dados a conhecer ao público, pelos respetivos autores, no dia 24 de abril.

O nosso sincero agradecimento a tod@s aquele(a)s que participaram nesta iniciativa.

Muitos parabéns a tod@s!!!

Apontamento de leitura



quarta-feira, 13 de março de 2024

Weiwe(r)be - Projeto de Literacia da Informação na EBS Gama Barros

À semelhança de anos letivos anteriores, a biblioteca escolar da EBS Gama Barros tem dinamizado várias atividades que visam a promoção de um uso ético da informação e a capacitação dos alunos para um uso crítico dos recursos educacionais abertos (REA) no âmbito do projeto “Weiwe(r)be.

Este projeto, que resulta de uma parceria entre a Universidade Aberta e a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), tem vindo a ser implementado na nossa escola há 4 anos e, nos dois últimos anos, tendo em conta as boas práticas do Agrupamento no âmbito das literacias digital e da informação, foi-nos atribuído o “Selo Weiwe(r)be”.

O projeto, que já foi alargado ao 1.º ciclo desde o ano letivo transato, tem vindo a ser desenvolvido com as turmas de 5.º, 7.º e 10.º anos, envolvendo, também, algumas turmas do 8.º e do 11.º anos.

As sessões, que decorrem na biblioteca escolar, no 2.º e no 3.º ciclos nas aulas de Cidadania e Desenvolvimento, e no Ensino Secundário envolvendo docentes de várias disciplinas, partem de uma reflexão sobre o que é pesquisar e quais as principais etapas a seguir num processo de pesquisa da informação tendo por base o Modelo de Pesquisa de Informação “Big6”, adotado na nossa escola. Na fase seguinte, tem-se feito um importante trabalho de sensibilização sobre o respeito pelos Direitos de Autor e sobre a importância do uso ético que fazemos da informação. A este propósito, propõe-se um pequeno trabalho prático para familiarização com a Norma APA (American Pychological Association) – que é a adotada no nosso Agrupamento.

No que diz respeito às turmas do Ensino Secundário, foram dinamizadas algumas sessões sobre “Licenças Creative Commons”.

Nunca ouviste falar sobre isto?

Então vê o vídeo que partilhamos contigo e informa-te junto da professora bibliotecária se quiseres saber mais sobre este assunto.

 

Aqui ficam alguns registos fotográficos de algumas das sessões dinamizadas. Se participaste nestas aulas na biblioteca escolar, não te esqueças que o teu Diretor de Turma, ou o professor da disciplina envolvido neste projeto, partilhou vários documentos sobre estes assuntos na plataforma Microsoft Teams.

 













segunda-feira, 11 de março de 2024

Dia da Mulher - Leituras de porta em porta

 

A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos da Escola Básica e Secundária de Gama Barros assinalou, uma vez mais, o Dia Internacional da Mulher com a atividade “Leituras de Porta em Porta”, uma iniciativa na qual participaram algumas das alunas monitoras da BE/CRE. Este ano, sobretudo tendo em conta que se assinalam os 50 anos do 25 de abril, a opção recaiu sobre uma entrevista dada por Maria Teresa Horta ao jornal “Público”. Maria Teresa Horta ficou conhecida como uma das mais ativas feministas portuguesas e integrou com Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa o grupo que ficou conhecido como “As Três Marias”.

Maria Teresa Horta é a única sobrevivente deste grupo e assumiu, no passado dia 5 de março, a edição do jornal “Público” quase totalmente dedicada às mulheres.






Aqui fica um excerto dessa interessante entrevista com Maria Teresa Horta.

“Em março de 1974, Maria Teresa Horta era uma figura pública fortemente associada ao combate ao Estado Novo e à luta pelos direitos das mulheres. Jornalista, escritora, poetisa, ex-membro do grupo Poesia 61, tinha 36 anos, sete livros de poesia publicados (…) e era uma das três autoras de um livro revolucionário, Novas Cartas Portuguesas, com Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa, onde alertavam para a condição da mulher em Portugal. Publicado em 1972, causou escândalo nacional e pouco depois seria traduzido para francês e inglês. Iniciou-se um processo judicial e havia julgamento marcado para 25 de abril desse ano de 1974, justamente no dia em que o antigo regime caiu.(…) Aos 86 anos, muitos livros depois, entre poesia, contos e romance, vários prémios, continua a escrever diariamente no primeiro papel que encontra por perto e atenta ao que sempre a moveu, a luta, como refere nesta conversa em sua casa, rodeada por livros e memórias (…).

 

Quando pensa na palavra “mulher”, pensa em quê?

Mulher sou eu. É daquelas palavras que fazem parte de mim. Se no meu pensamento não está isso de ser mulher, por mais inconscientemente que seja, então estou a fazer muito mau uso de mim própria. Uma pessoa, quando é mulher, tem de entender o que isso quer dizer. Depois, é conforme a mulher. Todos os homens são diferentes uns dos outros e as mulheres também são, e durante muito tempo isso não aconteceu. Os homens eram diferentes uns dos outros, mas as mulheres eram todas iguaizinhas.

Foi educada numa família tradicional, mas com alguma liberdade.

Acho que não. O meu pai tentou que eu cumprisse as regras que eram impostas às mulheres. Fiz exatamente o contrário. Lembro-me muito bem de haver uma pessoa da minha família que ligou ao meu pai a dizer:

“Olha, ontem vi a Teresa a atravessar uma rua e pôr a mão em cima do braço de um homem.” Era um amigo que ia ao meu lado e fiz aquela coisa instintiva, atravessar a rua e pôr a mão no braço da pessoa ao lado. Isto diz bem a posição da mulher. A certa altura, o pai é informado de que a filha, que tem 21 anos, atravessa a rua e põe a mão no braço do amigo.

A mulher era alguém sempre sob vigilância.

Isso estive, toda a minha vida, pela minha família.

Começa a publicar em 1960, a falar do corpo da mulher, uma coisa quase interdita.

Era completamente interdito, o corpo.

De onde veio a vontade de falar do corpo?

Comecei a ver que nos livros que eu lia os homens falavam do corpo. Ou seja, os homens tinham corpo, as mulheres praticamente não tinham.

Falamos dos anos 1930/40.

Naquela altura já havia mulheres que lutavam pelos seus próprios direitos e os de outras mulheres. Eram criticadas, vinham para a rua e tinham consciência de que o que estavam a fazer era muito perigoso. Eu ainda conheci isso. Ser feminista era uma coisa aviltante, tanto que diziam “você é feminista”, querendo insultar.

Consegue identificar a génese da sua escrita?

Eu lia muito, desde muito pequena. Aprendi a ler sozinha e com a minha avó. A minha avó era uma feminista.

Havia a influência da sua avó…

Sim. As mulheres da minha vida eram muito mais ousadas do que os homens. Eu não sei como seria se não fosse a minha avó. Sentávamo-nos as duas e o meu pai tomava o pequeno-almoço e lia o jornal. O jornal só vinha para o meu pai, o Diário de Notícias, e nós não podíamos ter nem uma coisinha para ler. Mas ele era homem, era pai, aquele ser [faz um gesto de reverência] podia. Ele lia e quando chegava às sufragistas… “e agora mais uma em Inglaterra, foram para a rua”. E ele: “Estas mulheres são doidas.” [Um dia] a minha avó [disse]: “Olha Jorge, eu não te admito que à minha frente tu digas isso destas mulheres.” Depois, levanta-se da mesa, dá a volta para ir direita à porta e a Teresa levanta-se, dá-lhe a mão e saem as duas. E ali dá-se a mudança na minha vida. Era inverno e havia uma braseira. E a minha avó sentou-se com um ar digno e disse:

“Olha filha, deste o primeiro passo que as mulheres devem dar, o da solidariedade para com as mulheres.” Nunca mais me esqueci. A falta de solidariedade das mulheres é uma coisa terrível. É das coisas que mais me impressionam, que mais me magoam. (…)

Como olha agora para outra cumplicidade, a que nasceu entre As Três Marias, Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa?

A Isabel já conhecia a Fátima [refere-se sempre a Maria Velho da Costa como Fátima, Maria de Fátima Bívar Velho da Costa], porque tinham estado na faculdade ao mesmo tempo. Já eu era jornalista. E, quando elas publicam juntas o primeiro livro, telefonei-lhes. Eu fazia o suplemento literário d’ A Capital, queria uma entrevista com elas. Daí passámos a almoçar juntas uma vez por semana. Iam ter comigo à Capital. Começámos a falar, e se fizéssemos um livro juntas? Mas o quê?

Uma vez deram-me uma tareia na rua, não morri por acaso. Era à noite, eu ia ter com o Luís [Luís de Barros, o marido], que saía d’ A Capital. Quando começo a subir do bairro social do Arco Cego, onde vivíamos (…) vejo um carro que abre a luz a tenta apanhar-me. Não consegue porque por detrás estava um candeeiro. Qual não é o meu espanto quando vejo o carro parar e virem dois homens direitos a mim. Atiraram-me ao chão, bateram com a minha cabeça no chão, disseram:

“Isto é para aprenderes a não fazer aquilo que fazes.” (…)

Esse momento acabou por ser determinante para o livro.

Determinante para tudo na minha vida. É daí que nasce o livro [Novas Cartas Portuguesas, que seria publicado em 1972]. Passados dois dias, estava ainda num estado comatoso e elas viram-me. Expliquei o que fizeram. A Fátima diz: “E se fizéssemos as três um livro sobre isso?” Passado uma semana, a Isabel, com aquele ar de “não me ralo com nada”, abriu a mala e tirou o primeiro texto. Foi o único texto que sempre dissemos de quem era. É muito bonito. Convenceram-me. Era um entusiasmo, divertidíssimo. Todas as semanas nos encontrávamos uma vez, à noite ou ao fim da tarde, e levávamos os nossos textos com cópia e distribuíamos pelas três e começávamos a discutir o que tínhamos feito e trazíamos já os nossos textos sobre os textos umas das outras da semana anterior. Não escrevíamos ao pé umas das outras. Não era combinado o tema; era o que quiséssemos.

O livro saiu, seguiram-se tempos conturbados, julgamentos, um julgamento adiado que calhou no dia 25 de abril de 1974 e nunca ocorreu.

Da primeira vez em que nos prenderam, puseram-nos numa sala. Estávamos com os nossos advogados e estavam umas mulheres sentadas à nossa frente. Passado um pedacinho, uma levanta-se, chega ao pé de mim e diz: “A menina está aqui porquê?” Eu disse: “Estou aqui, como estão estas meninas aqui ao meu lado. Nós publicámos um livro.” Ela respondeu: “Eles enganaram-se, esta é a sala das prostitutas.” Para nos humilharem, tinham-nos metido na sala das prostitutas. Como se isso fosse uma coisa que nos ofendesse imenso. Éramos todas mulheres. (…)

Quis ser jornalista numa altura em que havia muito poucas mulheres na profissão.

Sempre quis ser jornalista. Achava lindo. O meu pai lia imenso, comprava tudo o que era jornal. Era aquilo que eu queria. A luta. Eu era pequenina e não tinha bem a consciência de que isso faz a nossa personalidade, pertencia àquilo que eu queria que fosse a luta. E eu dizia o que queria. Tenho muita, muita dificuldade nessa coisa do cuidado. Não sou capaz de ter cuidado. (…)

Chegou a ser chefe na revista Mulheres.

Sim.

Era chefe de outras mulheres.

Sim, não havia homens. Todas pagas pelo PCP, a revista era do PCP. Era o PCP que mandava e que, de vez em quando, me chamava e dizia: “Isto não pode ser assim.” Até que houve um dia que chegou lá o camarada não sei quantos, que era o que mandava, que me disse que eu estava proibida de fazer uma série de coisas.

Proibida de quê?

Da atenção que dava às mulheres, sobretudo, desmascarar o que se fazia às mulheres. Comecei a pôr muitas coisas dessas na revista. Ia muito à Natália, à Sophia e aquilo começou a ser um bocado desagradável. Um dia chegou um homem, disse que eu não ia continuar como chefe de redação por ser muito insubordinada. Levantei-me, pus o meu casaco, e fui-me embora. Fui ao sindicato. No dia seguinte, cheguei lá e tinha ordem de despejo.

Foi despedida.

Fui. A revista também acho que só fez mais um número. (…)

Está quase a sair uma biografia sua, revê-se no título, Desobediente [escrita por Patrícia Reis]?

Completamente. Agora vejo que sempre fui desobediente, talvez seja o que me marca mais.”

 

Lucas, I. (2024). Um país fascista é uma coisa muito perigosa. Público, 2, 3, 4, 6.

 

 


domingo, 25 de fevereiro de 2024

“Conversas sobre a Revolução... 50 anos depois.” com o professor Manuel Sanches


Foi na passada terça-feira, dia 20 de fevereiro, que se realizou, na Biblioteca Escolar, mais uma “Conversa” sobre a Revolução do 25 de abril de 1974.

Desta vez, o nosso convidado foi o professor Manuel Sanches, ilustre docente de História da nossa casa há vários anos. Como excelente professor de História que é, o professor Manuel Sanches começou por esclarecer que para perceber a revolução de abril era preciso enquadrá-la no tempo e dar a conhecer ao público presente o contexto socio cultural e político do Portugal dos anos em que vivemos em Ditadura.

Natural do Sabugal, o professor Manuel Sanches começou, precisamente, por referir as falhas da escola pública durante o Antigo Regime, altura em que muitos jovens, sobretudo de localidades afastadas dos centros urbanos, se viam privados de frequentar o ensino público, tendo que optar, caso os pais tivessem condições financeiras para tal, pelo ensino privado.

Ao longo de quatro horas o professor Manuel Sanches conduziu uma viagem no tempo, primeiro para @s alun@s do 10.º LH1, e depois para @s do 11.º LH1 e do 3.º PTT, dando a conhecer a estes jovens, que não viveram o 25 de abril de 74, um Portugal da censura, do analfabetismo, da privação de direitos básicos para as mulheres, da música de intervenção, da emigração a salto, da PIDE, da terrível Guerra Colonial…

Mostrou também, quase passo a passo, “o dia inicial inteiro e limpo…” em que o povo saiu às ruas e testemunhou o avanço da revolução. Uma revolução diferente de todas as outras, em que as crianças, as mulheres, e os homens estiveram lado a aldo com os soldados, e em que os canos das espingardas ostentaram cravos vermelhos.

Foi uma conversa alimentada por muitos documentos históricos, de reconhecido interesse, e de uma verdadeira reportagem fotográfica que não deixou de fora o 25 de abril no Sabugal.

Muito obrigada professor Manuel Sanches por ter partilhado a sua visão e o seu conhecimento sobre o Antigo Regime e sobre o 25 de abril com os alunos e com os docentes presentes.

Vale a pena lembrar que esta conversa só foi possível porque a 25 de abril de 1974 houve uma revolução em Portugal que nos abriu as portas para a Liberdade de Expressão.